A respiração: velhos e novos ares para a Ortodontia

Por Administrador

Edição V25N5 | Ano 2020 | Editorial Highlights | Páginas 7 até 8

Flavia Artese

Ao concluir uma palestra sobre biprotrusões dentoalveolares e suas possibilidades de tratamento, fizeram-me muitos questionamentos sobre a associação entre a redução no volume das arcadas dentárias, após as extrações, e o desenvolvimento de problemas respiratórios, mais especificamente a apneia obstrutiva do sono (AOS). Confesso que naquele momento não conhecia a evidência atual sobre a correlação entre esses dois fatores, razão para me questionar se a Ortodontia, há quase um século, estaria provocando AOS ao retrair dentes anteriores. Apesar de ter procurado as respostas para aquelas perguntas, uma outra não saia da minha mente. Naquela palestra, entre as opções para o tratamento das biprotrusões dentoalveolares, a distalização em massa das arcadas dentárias por meio de apoio em ancoragem esquelética também foi apresentada. E, apesar das arcadas dentárias serem retraídas, a sua possível associação com a AOS não foi aventada na sessão de perguntas. Haveria diferenças no resultado final entre essas possibilidades de tratamento, no que se refere à posição final dos incisivos no sentido anteroposterior?

Artese F. Breathing: old and fresh breezes in Orthodontics. Dental Press J Orthod. 2020 Sept-Oct;25(5):7-8.